top of page

Uma história contada pelas rodovias fluminenses


A história do DER RJ se confunde com a história recente do estado do Rio de Janeiro. Fatos marcantes, lugares, eventos que ficaram para sempre gravados no tempo, tiveram rodovias, pontes, viadutos e outras obras construídas pelo Departamento, como passagens fundamentais.


O Departamento de Estradas de Rodagem do Rio de Janeiro (DER-RJ) foi criado pelo Decreto-Lei 693, de 11 de fevereiro de 1943. Isto deu autonomia administrativa e amplas atribuições, relativas à conservação e construção de rodovias. A partir daí, caberia ao DER diversas outras funções como: estatísticas, policiamento rodoviário, estudos, análises de solo, aperfeiçoamento técnico profissional, organização de congressos de estradas de rodagem e propaganda das rodovias.




Antes disso


Precursor ao DER e criado no final de 1933, o Departamento de Engenharia tinha como competência executar um plano de viação e conservação das estradas. Isto também incluía substituição de pontes e revestimento de estradas, o que resultou na construção e melhoramentos de várias vias no estado do Rio de Janeiro.

Em janeiro de 1939, foi criada a Comissão de Estradas de Rodagem, sendo o engenheiro Francisco Saturnino Braga seu primeiro diretor. Saturnino hoje dá nome à rodovia

RJ-155, que liga Barra Mansa e Angra dos Reis, passando pelo município de Rio Claro.

Naquele ano, iniciou a elaboração de outro Plano Rodoviário Estadual, possível graças ao trabalho do engenheiro Manoel Pacheco Carvalho, que percorreu todo o território fluminense estabelecendo diretrizes gerais e orientação para estudos posteriores.

O Plano Rodoviário Estadual foi aprovado em agosto de 1946. Para ajustar o DER-RJ às condições estabelecidas pela lei que criou o Fundo Rodoviário Nacional e credenciar o Órgão Rodoviário Estadual ao recebimento das cotas do Fundo, foi aprovada, em 1946, nova organização para o Departamento de Estradas de Rodagem.

A Divisão de Tráfego e Assistência aos Municípios (DTAM) foi criada e incorporada ao Departamento de Estradas de Rodagem em fevereiro de 1949. Foi extinta, assim, a Divisão de Viação e Transportes Coletivos (DVTC), que pertencia ao Departamento de Serviços Públicos.

Com a mudança da capital do país para Brasília e a criação do Estado da Guanabara em 1961, o Departamento de Estradas de Rodagem do Estado da Guanabara (DER-GB) passou a cuidar do estado-cidade, que, ao atuar em área predominantemente urbana, foi forçado a adotar outras soluções para o tráfego rodoviário.

O conjunto de obras passou a ser direcionado para desapropriações, drenagens, iluminação, elevados e viadutos. Além disso, o DER-GB tornou-se órgão integrante da estrutura administrativa do Estado da Guanabara e subordinado à Secretaria de Obras Públicas. Situação que se estendeu até 1975, data da fusão com o antigo Estado do Rio de Janeiro, quando o DER-GB foi substituído pelo DER-RJ.

Finalmente, em agosto de 1990, o então governador do Rio de Janeiro, Moreira Franco, transformou o DER-RJ em fundação. Com isso, o órgão passou a ter receita própria e possibilidade de modernizar sua estrutura.


O DER hoje


Para o engenheiro civil e atual presidente do Departamento de Estradas e Rodagem do Estado do Rio de Janeiro, Pedro Henrique de Oliveira Ramos, o DER é uma fundação protagonista. Segundo ele, além das rodovias estaduais; a Avenida Brasil, a Linha Vermelha, o Túnel Rebouças, também são exemplos até hoje da importância de departamento na mobilidade da região metropolitana do Rio de Janeiro. “Além das rodovias estaduais, as pontes, as obras de arte nos municípios, o asfalto está presente em convênios com os municípios”, lembra ele. Fazem parte das ações do DER, convênios em que o governo estadual fornece o asfalto e o município aplica.

O presidente do DER RJ cita algumas ações que fazem parte deste segundo mandato do governo Claudio Castro, como o Pacto RJ, por exemplo. O Pacto RJ tem como objetivo dar transparência à sociedade fluminense do processo de retomada dos investimentos públicos pelo estado. Uma plataforma digital atua como um portal de acesso às informações do ciclo de vida dos projetos incluídos na carteira de investimentos, englobando desde a sua concepção até a finalização da obra pública.

Neste sentido, o Pacto RJ reúne o conjunto de dados da carteira utilizando dashboards atualizados e intuitivos para que o cidadão acompanhe com facilidade, clareza e de forma automática o andamento dos projetos de investimentos nos municípios.

Ao acessar o site Pacto RJ, imediatamente o usuário encontra informações sobre a Ponte da Integração, por exemplo. A obra de arte especial faz parte da RJ-196 e avança sobre o Rio Paraíba do Sul. Além da ponte, a obra contempla os acessos rodoviários aos municípios de São João da Barra e São Francisco de Itabapoana, no Norte Fluminense. A ponte tem extensão de 1.344 metros de comprimento e 16,20 metros de largura.

A conclusão da obra é importante para a recuperação econômica do Norte e Noroeste fluminense. Vai beneficiar um milhão de pessoas, melhorando o trabalho dos produtores rurais e alavancando o turismo.


Turismo Presente


O mundo todo sofreu com a pandemia de Covid-19, que durou mais de dois anos. Um dos setores da economia mais afetados foi o turismo e, com ele, as regiões que dependem do fluxo de visitantes para o desenvolvimento econômico e social.

A cidade do Rio de Janeiro é uma das mais visitadas do mundo. Mas o estado do RJ tem também outras regiões turísticas importantes. Com o objetivo de fortalecer estas regiões, o governo estadual lançou o programa Turismo Presente, que faz intervenções de obras de interesse turístico nestes municípios.

De acordo com o secretário estadual de Turismo do RJ, Gustavo Tutuca, o projeto inicial é da ordem de R$ 100 milhões. O investimento também faz parte do Pacto RJ, que para ele: “É o maior programa de financiamento de ações e projetos da história do estado do Rio de Janeiro”, diz o secretário. Tutuca defende que, antes de chamar os turistas para visitarem o estado é preciso deixar a casa arrumada. “Não adianta investir em promoção, fazer o visitante vir ao nosso estado e não receber ele de maneira digna. E assim temos avançado com projetos como centro de informação turística, portais de acesso as cidades, mirantes, reformas de parques de exposições para a realização de eventos no interior, entre outras ações para a melhoria dos nossos destinos”, explica o secretário.

A arrumação da casa passa pela boa comunicação com o turista que viaja pelas rodovias estaduais do Rio de Janeiro. Sinalizar com eficiência é vital para a localização e programação dos viajantes. O presidente do DER, Pedro Henrique de Oliveira Ramos, conta que um programa de sinalização turística, atualmente em andamento pelo governo estadual, é fundamental em um estado como o Rio de Janeiro, que tem uma gama muito grande de destinos. “Este programa é importante para valorizar o estado do Rio de Janeiro. Muitas áreas turísticas não tinham indicações rodoviárias de como chegar”, lembra ele. A condição é diferente da capital, com pontos turísticos concentrados na mesma cidade, como o Cristo Redentor e o Pão de Açucar, por exemplo. “Mas também há o interior e trabalhamos para acelerar o crescimento do turismo, que é tão importante em todo o estado”, reforça o presidente do DER RJ.

Segundo ele, diversas obras contratadas pelo DER irão, também, contribuir para potencializar o turismo no estado do Rio de Janeiro. “O DER tem 3,5 bilhões contratados para obras rodoviárias. O município de Miguel Pereira, por exemplo, que tem um dos melhores climas do Brasil, supera Búzios em número de visitas ao longo do ano.” Ele cita outras obras, como a Ponte do Baião em Macaé, a RJ-130 na região serrana de Teresópolis e Nova Friburgo, as rodovias que acessam a Região dos Lagos e toda a manutenção da malha viária estadual.




Sinalização Turística


Um ótimo exemplo da sinergia do atual governo fluminense está na união dos trabalhos da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Cidades (SEIC) Secretaria de Estado de Turismo (SETUR) e do Departamento de Estadas e Rodagem (DER). Um grande programa de sinalização turística, em toda a malha rodoviária estadual fluminense, está em fase de conclusão.

O vice-presidente do DER RJ, Gladstone Felippo Santana, explica que a demanda surgiu na Secretaria de Turismo (SETUR). “Não havia como fazer um trabalho desta natureza por lá, diretamente. A partir daí, nossa equipe estudou o projeto e começou, em conjunto com a secretaria, a desenvolvê-lo”, conta ele.

O projeto avançou e foi licitado pelo DER. Além das licitações o departamento ficou responsável pelos pagamentos e fiscalizações. A implantação ficou a cargo da SETUR. O programa de Sinalização Turística nasceu de um convênio celebrado em 2021, entre a Secretaria de Turismo e o DER-RJ, para a implantação de dispositivos, estruturas e sinalização voltadas ao fomento turístico dos municípios fluminenses. Com intervenções em rodovias estaduais, o programa foi dividido em 11 áreas de interesse. São aproximadamente 300 semipórticos,

10 pórticos e 100 bandeiras tipo 1. O projeto, que se iniciou em 2022, encerra no segundo semestre desse ano, com um investimento de aproximadamente R$ 300 milhões.

“A vencedora da licitação, desenvolveu o projeto e o implementou. Estamos fazendo o acompanhamento e fiscalização, olhando com muito interesse os materiais. Mas é um programa que vem explorar um potencial que existe no estado todo, e que é muito grande”, explica Gladstone. Segundo ele, o estado do Rio de Janeiro ainda tem muito potencial turístico para ser desenvolvido. “As pessoas conhecem muito pouco o Rio de Janeiro. Conhecem Búzios, a capital, mas não conhecem as belíssimas cachoeiras que existem em outros locais. Não têm, muitas vezes, noção das muitas outras belezas naturais que o estado tem. Muita gente sequer faz ideia de que aqui está se desenvolvendo, de maneira muito forte, a questão de vinícolas, na região do Areal, por exemplo”, lembra ele.

Para o vice-presidente do DER RJ, a diversidade geográfica do estado do Rio de Janeiro em uma área próxima é um dos diferenciais importantes para o turismo. “Nosso estado tem serra, tem praia, turismo de montanha, praticamente tudo concentrado em um espaço geográfico, relativamente próximo. Chamar a atenção para todos esses atrativos, é um objetivo que a Sinalização Turística está cumprindo. Na verdade, estamos já com quase todo o projeto finalizando, restando apenas algumas poucas implantações”, comemora.

A ideia é que o sucesso do programa seja motivo para dar continuidade. Gladstone explica que existe uma previsão para que dentro dos municípios o esforço continue. “Nós fizemos nas RJs, as rodovias estaduais. Mas a ideia é estabelecermos parcerias com as secretarias de turismo dos municípios. Vencendo todos esses trâmites, a gente avança, para tornar ainda mais refinada essa sinalização, com os nomes das atrações mais detalhados, indicações diversas e mais”, conclui ele.


Areal: A CAPITAL DA UVA


O município de Areal, localizado entre as regiões Serrana e Centro Sul do estado do Rio de Janeiro, a cerca de 90 km da capital, foi considerado, por lei municipal e estadual, “A Capital da Uva”. O município é o maior produtor de uva do estado, somando mais de trinta hectares de área plantada, com mais de oito variedades, o que gera a expectativa de uma produção média de 60 mil garrafas de vinho por ano. O posto de maior produtor de uva do estado despertou novos investimentos e empreendimentos que consolidaram a viticultura na região.

Atualmente são 12 vinícolas em formação com mais de 100 mil pés de uva plantados. Dentre as variedades de uva estão: Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Shiraz, Sauvignon Blanc, Viognier, Niágara Rosa, Malbec, Tempranillo, Sangiovese e Montepulciano.


71 cidades fluminenses no radar do turismo


Quem também defende que turismo forte se faz com infraestrutura de transporte é o secretário de Infraestrutura e Cidades, Uruan Andrade. Ele comenta que governo estadual trabalha não só em sinalização, mas também em pavimentação, para que o caminho até o destino seja o melhor possível. “Além do projeto de sinalização turística, que facilita o acesso de turistas às regiões fluminenses, nossa contribuição mais importante é a oferta de uma malha rodoviária de qualidade, capaz de transformar áreas do interior do estado em espaço de grande potencial turístico.” Uruan Andrade, que já foi presidente do DER, comemora as oito décadas do departamento: “Ao completar 80 anos, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ) tem mostrado fôlego para continuar construindo o desenvolvimento do nosso estado”, afirma ele.

De acordo com o Ministério do Turismo (MTur), 71 cidades do estado do Rio de Janeiro passaram a integrar o Mapa do Turismo Brasileiro. Ao todo, o estado fluminense possui 92 municípios. O Mapa do Turismo Brasileiro define o recorte territorial a ser trabalhado, prioritariamente, pelo Ministério do Turismo. As ações pré-estabelecidas pelo MTur envolvem melhorias de infraestrutura, sinalização, promoção e atração de turistas para os diversos destinos turísticos do RJ.

O anúncio foi feito pelo Ministério, responsável pela iniciativa, com apoio da Secretaria de Estado de Turismo (Setur-RJ), que promoveu diversos encontros de sensibilização com representantes das cidades, com objetivo de orientar as etapas cadastrais.

O secretário de Turismo do governo fluminense, Gustavo Tutuca, ressaltou a importância para a consolidação dos destinos turísticos no interior. “É fundamental que essas cidades estejam no Mapa do Turismo, pois significa que elas fizeram o dever de casa, cumprindo as exigências do Ministério e hoje estão aptas a receber investimentos para promoção do turismo. Isso é importante não apenas para a atração de mais visitantes, mas também para o desenvolvimento dos municípios”, afirmou ele. “O turismo é um assunto que está no DNA do Rio de Janeiro. E o Rio de Janeiro é a principal joia da coroa do turismo em nosso país. Mas precisamos sempre reforçar que o nosso estado é composto por 12 regiões turísticas que precisam de atenção e investimentos para que possamos aumentar a geração de renda e empregos para as cidades, aumentando assim o desenvolvimento econômico dos municípios e, consequentemente, do nosso estado”, defende o secretário.

Tutuca lembra que o governo atua diretamente nos municípios. Ao mesmo tempo em que a mensagem chega em diversos países promovendo o Rio de Janeiro, o trabalho acontece no mercado doméstico, com capacitação e rodada de negócios, além de fomentar o turismo fluminense nas principais cidades emissoras de turistas ao Rio. “E seguimos próximos das 12 regiões turísticas do estado, trabalhando para consolidar o RJ como principal destino turístico do Brasil.”

O secretário conta que municípios do interior do estado vêm batendo recordes de ocupação hoteleira. “Miguel Pereira, por exemplo, vem liderando este ranking em 2023, muito por causa da inauguração do parque temático Terra dos Dinos”, lembra ele.

Para o governador Cláudio Castro, o turismo tem sido essencial para a retomada da economia fluminense. “Nós somos o cartão-postal do Brasil e da América Latina, temos uma capital maravilhosa e um interior belíssimo”, lembra o governador. De acordo com ele, os últimos meses estão sendo de reforços para a infraestrutura e para a segurança em todo o estado, com a qualificação de setores turísticos do interior para dar condições adequadas para receber visitantes. “Esse diálogo com os municípios é o que precisamos para o Rio de Janeiro continuar crescendo”, afirma o governador Cláudio Castro.


O Rio de Janeiro Continua Lindo. E Perto!


O governo do estado do Rio de Janeiro lançou no mês de julho o projeto "O Rio de Janeiro Continua Lindo. E Perto! Desenvolvido pela Secretaria de Estado de Turismo, o objetivo é promover o estado no mercado doméstico, principalmente nas cidades que historicamente são as maiores emissoras de turistas para o Rio.

“Esse é um projeto marcante, o de levar o Rio de Janeiro para todos os lugares. O turismo doméstico é fundamental para o estado e o reconhecimento da marca Rio de Janeiro já é uma realidade”, disse o governador Cláudio Castro durante o lançamento.

O Rio Continua Lindo. E Perto! está baseado em três pilares: campanha publicitária, show temático do Rio de Janeiro e encontro comercial ("O Rio é de vocês"). Este último, reúne agentes, hotéis e operadores de turismo do estado com o trade turístico da cidade visitada pelo projeto, levando oportunidades de negócios.

“É o lançamento oficial da nossa campanha de promoção do Rio de Janeiro para o turismo doméstico, levando às cidades participantes um encontro de negócios, campanhas publicitárias e entretenimento. Queremos consolidar o Rio de Janeiro como principal destino turístico do país e repetir o sucesso que foi a edição 2021 do Rio Continua Lindo. E perto!”, disse o secretário de Turismo, Gustavo Tutuca, na oportunidade.

Em 2 de agosto o projeto passa por Belo Horizonte. Depois disso, percorrerá outras 7 cidades, além do Rio de Janeiro. Na edição de 2023, o artista com a missão de encantar o público é o cantor Mumuzinho.


Asfalto presente


Como o foco também a qualidade de vida dos cidadãos fluminenses, o DER-RJ mantém convênios com os municípios. Em Cardoso Moreira, no Norte Fluminense, por exemplo, foram pavimentados 24 km de ruas na cidade.

Por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Cidades (SEIC) estão sendo investidos em Cardoso Moreira mais de R$ 8 milhões para projetos de mobilidade, pavimentação e urbanização, com foco na garantia da acessibilidade em épocas de fortes chuvas, assim como na pavimentação de ruas. Faz parte deste conjunto de obras a requalificação da antiga ponte ferroviária, a Ponte de Ferro, que, com investimento de

R$ 4,6 milhões, está se transformando em uma ponte rodoviária, com ciclovia e calçada para os pedestres.

As obras são primordiais para o desenvolvimento do município, proporcionando uma nova entrada e saída para a cidade, além de aliviar o fluxo de veículos na região central. Além disso, a nova estrutura será essencial em períodos de cheias do Rio Muriaé, tornando-se o principal acesso para a BR-356.

“Essas são obras que certamente vão melhorar a qualidade de vida da população local. O governador Cláudio Castro sabe da importância de se investir no interior, para que haja um desenvolvimento social e econômico em todas as regiões. Nosso compromisso é trabalhar sempre, em parceria com os municípios, para transformar nosso estado”, afirma o secretário de Infraestrutura e Cidades, Uruan Andrade.

O secretário lembra que para 24 km de pavimentação de ruas, executados por meio do convênio do Asfalto Presente, do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ), foram mais de 1.300 toneladas de asfalto enviados ao município, num investimento de R$ 655 mil.


Região dos Lagos


A cidade de São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos, está recebendo intervenções da ordem de R$ 110 milhões. São obras de requalificação da pista do acesso à cidade, a partir do entroncamento das rodovias RJ-106 e RJ-140 e em outras parcerias do governo estadual com a prefeitura na urbanização de bairros.

O importante destino turístico fluminense atrai turistas pela sua história e belezas naturais. Além da duplicação do acesso, que está sendo executada pelo Departamento de Estradas de Rodagem

(DER-RJ), há obras de urbanização no bairro Colinas, que irão melhorar a mobilidade na região.

Na parceria com o município, pelo Programa Somando Forças, são intervenções de drenagem e pavimentação nos bairros Vinhateiro, Fluminense, Boa Vista e Estação. O programa do governo estadual repassa 95% dos recursos da obra para as prefeituras, que dão a contrapartida de 5%, além de fazer a licitação e fiscalizar a obra.

“Um destino deve ser bom para morador e turista. É urgente que sejam executadas obras em municípios do interior que sofrem com a falta de infraestrutura. O objetivo é que estas cidades recebam os visitantes com excelência. Qualquer viajante quer estradas seguras, sinalização turística adequada e serviços essenciais, como, por exemplo, os relacionados a saneamento básico”, reforça o secretário de Turismo, Gustavo Tutuca.


8 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page